Cursos de Pós-Graduação

CURSOS DE PÓS-GRADUÇÃO

PÓS-GRADUÇÃO

A Faculdade Paulo Picanço está inserida na formação de pós-graduação no âmbito do stricto quanto no lato sensu.

Curso Stricto Sensu

As pós-graduações stricto sensu compreendem programas de mestrado e doutorado abertos a candidatos diplomados em cursos superiores de graduação e que atendam às exigências da Faculdade Paulo Picanço, conforme Art. 44, III, Lei nº 9.394/1996Ao final do curso o aluno obterá diploma.

Mestrado Profissional em Clínica Odontológica 

 

Cursos Lato Sensu

As pós-graduações lato sensu compreendem programas de aperfeiçoamento especialização com duração mínima de 360 horas, ao final do curso o aluno obterá certificado. Ademais são abertos a candidatos diplomados em cursos superiores e que atendam às exigências da Faculdade Paulo Picanço, conforme Art. 44, III, Lei nº 9.394/1996.

Mais informações sobre Cursos de Pós-Graduação da FACPP

Segundo o art 44, da LDB, os cursos destinados aos alunos graduados. Denominados como: aperfeiçoamento, lato sensu (Especialização) e strito sensu (Mestrado e Doutorado).

Art. 44. A educação superior abrangerá os seguintes cursos e programas: (Regulamento)

I – cursos seqüenciais por campo de saber, de diferentes níveis de abrangência, abertos a candidatos que atendam aos requisitos estabelecidos pelas instituições de ensino, desde que tenham concluído o ensino médio ou equivalente; (Redação dada pela Lei nº 11.632, de 2007).

II – de graduação, abertos a candidatos que tenham concluído o ensino médio ou equivalente e tenham sido classificados em processo seletivo;

III – de pós-graduação, compreendendo programas de mestrado e doutorado, cursos de especialização, aperfeiçoamento e outros, abertos a candidatos diplomados em cursos de graduação e que atendam às exigências das instituições de ensino (grifo nosso);

IV – de extensão, abertos a candidatos que atendam aos requisitos estabelecidos em cada caso pelas instituições de ensino.

Esse entendimento foi reforçado por um entendimento recente por parte do MEC/Conselho Nacional de Educação e publicado por meio da resolução  Nº 1, DE 6 DE ABRIL DE 2018.

Estabelece diretrizes e normas para a oferta dos cursos de pós-graduação lato sensu denominados cursos de especialização, no âmbito do Sistema Federal de Educação Superior, conforme prevê o Art. 39, § 3º, da Lei nº 9.394/1996, e dá outras providências. 

Art. 1º Cursos de pós-graduação lato sensu denominados cursos de especialização são programas de nível superior, de educação continuada, com os objetivos de complementar a formação acadêmica, atualizar, incorporar competências técnicas e desenvolver novos perfis profissionais, com vistas ao aprimoramento da atuação no mundo do trabalho e ao atendimento de demandas por profissionais tecnicamente mais qualificados para o setor público, as empresas e as organizações do terceiro setor, tendo em vista o desenvolvimento do país. 

  • 1º Os cursos de especialização são abertos a candidatos diplomados em cursos de graduação, que atendam às exigências das instituições ofertantes. 

Art. 2º Os cursos de especialização poderão ser oferecidos por: 

I – Instituições de Educação Superior (IES) devidamente credenciadas para a oferta de curso(s) de graduação nas modalidades presencial ou a distância reconhecido(s); 

II – Instituição de qualquer natureza que ofereça curso de pós-graduação stricto sensu, avaliado pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), 2 autorizado pelo Conselho Nacional de Educação (CNE), na grande área de conhecimento do curso stricto sensu recomendado e reconhecido, durante o período de validade dos respectivos atos autorizativos.

Não. Estes cursos são destinados a candidatos GRADUADOS

O Conselho Federal de Odontologia, tem por missão principal, fiscalizar o exercício profissional e não regulamentar cursos. Nos cursos clínicos que envolvem atendimento clínico o CFO,  por meio dos CRO de cada estado, pode fiscalizar se os estudantes, que realizam o atendimento dos pacientes são graduados ou acadêmicos. Se forem acadêmicos, se estão realizando atendimento de acordo com o código de ética odontológico em curso de graduação, estágio curricular ou curso de extensão por uma IES.

Os acadêmicos do curso de odontologia, matriculados em curso de extensão de qualquer IES, estão amparados para atendimento clínico, também pelo código de ética odontológico, do Conselho Federal de Odontologia (CFO),  em seu Art. 35. ítem IX, com a redação abaixo:

Constitui infração ética:

IX – permitir a prática clínica em pacientes por acadêmicos de Odontologia fora das diretrizes e planos pedagógicos da instituição de ensino superior, ou de regular programa de estágio e extensão, respondendo pela violação deste inciso o professor e o coordenador da respectiva atividade (grifo nosso).